quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Provocações em meio a era digital

Não sejamos hipócritas ao dizer que lemos tudo o que nos diz respeito a nossa especialidade, não lemos, nem temos conhecimento do que realmente existe. Não temos tempo para isto, é a explosão da informação. Desafio você a a ler este texto até o final. Quantos bibliotecários postam seus textos diariamente??? Há muitos blogs de amigos na sua lista de favoritos, mas qual o tempo real que você dedica a ler estes blogs?
Em meio as questões de organizar informação na era digital, surge a questão "devemos reaprender a escrever"? Deixar o "charme" de lado, ou seja, as famos linguiças enchendo nossos artigos científicos e aumentando a confusão, não só das prateleiras, mas de sua tela de computador.
Um artigo a mais no universo acadêmico para ser lido por 3 ou 4 pessoas no mundo?
Aonde vamos parar com tanta produção?
Vamos direto ao que interessa!

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Sinto tanto frio longe de você
Fico em pranto a tremer
Tudo porque eu não soube te amar
Te protegi e te dei carinho de montão
Mas não soube te amar
Sinto que te fiz feliz
Você me fez feliz
Mas tive medo de você partir
Levar embora toda esta razão
que faz sentir
que faz amar
que faz viver

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Métodos arbitrários e confusos

Engraçado é ver após anos de estudo a “desconstrução” de tudo aquilo que aprendemos na graduação, após algum tempo de prática, teorias caindo por terra, a forma de organizar sujeita a problemas de ordem financeira, ordem estética, sim estética, por mais incoerente que possa ser, tudo por água abaixo.
Não, não estou aqui dizendo que o fruto de meu aprendizado na graduação foi em vão, muito pelo contrário.
Mas é como enxergamos o mundo quando estamos na graduação e como vemos o mundo após 10 anos de biblioteconomia e ciência da informação.
Na graduação, você imagina o futuro das bibliotecas perfeitas, da informação precisa, do bibliotecário reconhecido.
Na vida real, você descobre que toda organização é arbitrária. E após, caminhar por entre as estantes de inúmeras bibliotecas, você começa a observar como o bibliotecário impõe ao usuário através de sua organização o seu jeito de olhar o mundo, ou melhor dizendo, o que ele conhece do mundo.
Classificações bizarras, às vezes, um tanto confusas, estão por toda parte, atualmente nos preocupamos com a ordem virtual das coisas, acabamos por descobrir que Dewey não é aplicável a tudo, embora, possa ser aplicado a maioria dos livros, seu olhar era restrito. E Ranganathan é mais atual do que imaginávamos.
É importante sempre documentar os passos da organização, tentando ao máximo retratar aquele momento, aquela realidade, justificando certas iniciativas, para que no futuro seu sucessor não pensar que era um bibliotecário louco.
Válido para todos aqueles que trabalham com informação, principalmente em tempos de mutação.

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Vingança Boba - Cazuza / Sérgio Serra

Ah, minha criança, minha vingança é boba
Passei a vida te esperando, entende?
Quando eu te escondo o jogo
Quando eu te trato mal
É tudo medo, é tudo medo do amor

Que me entristece, que me enlouquece sempre
Mas é de verdade, é liberdade, esquece
Tudo na vida volta
Tudo na vida vai
Tá tudo em cima, tá tudo lindo agora
A gente junto, o mundo que vá embora
Com suas juras falsas
Com seus anúncios falsos

Tá tudo OK, tá tudo na boa agora
A gente chora, a gente ri, tem hora
Hora pra tudo, hora pra ir embora
Hora pra ir embora

domingo, 23 de setembro de 2007

Ciudad Ciclista

DESNUDAS/OS ANTE EL TRÁFICO!

Vejam as fotos em:

http://www.ciudadciclista.org/

Bicicletada







Quem ama... Liberta!

Quem ama..liberta!
Caminhos da vida
Quando cortas uma flor para ti,
começas a perdê-la...
Porque murchará em tuas mãos e não se fará semente para outras primaveras.
Quando aprisionas um passarinho para ti,
começas a perdê-lo...
Porque não mais cantará no bosque para ti e nem criará outros passarinhos em seu ninho.
Quando não arriscas tua liberdade para tê-la,
começas a perdê-la...
Porque a liberdade que tens se comprova
quando te atiras optando e decidindo.
Quando não deixas partir o teu filho para a vida,
começas a perdê-lo...
Porque nunca o verás voltar para ti livre e maduro.
Lembre-se sempre: Não existe preço
para a Liberdade, mas uma belíssima
recompensa para quem a utiliza com
desprendimento de alma ...
Ter para sempre, junto a si a Fidelidade daqueles que livres dos grilhões, se comprazem em serem seus eternos admiradores!
Quem Ama ... Liberta com a certeza
da volta espontânea ao aconchego!
Aprende no caminho da vida
A paradoxal lição da experiência:
Sempre ganhas o que deixas
E perdes o que retén
Retirando de uma comunidade

"...Tira-me a luz dos olhos - continuarei a ver-te
Tapa-me os ouvidos - continuarei a ouvir-te
E, mesmo sem pés, posso caminhar para ti
E, mesmo sem boca, posso chamar por ti.
Arranca-me os braços e tocar-te-ei com o meu coração como se fora com as mãos...
Despedaça-me o coração - e o meu cérebro baterá
E, mesmo que faças do meu cérebro uma fogueira,
Continuarei a trazer-te no meu sangue..."
( Rainer Maria Rilke)

sábado, 22 de setembro de 2007

Bicicletada - Dia mundial sem carro

video

A proposta era ir a virada de bike, que faz parte da programação da VIRADA ESPORTIVA, mais um evento da cidade 24 horas, São Paulo. Acabei na BICICLETADA, senti um arrepio, fiquei emocinada com o movimento, mais que isto, voltei pra casa com a sensação de dever cumprido, bem estar físico e espiritual, algo tão difícil de se sentir nesta cidade de pedras. São Paulo com mais ciclovias, sem medo de morrer atropelado, por pedalar, por não poluir, por desejar sentir-se bem, abaixo ao trânsito. É sonhar demais?

La propuesta era ir a la "VIRADA" en bike, que haz parte del programa de la "GIRADA DEPORTIVA" (no lo sé se pudo escribir así), más un evento de la ciudad, São Paulo. Terminé na BICICLETADA, senti un escalofrío, quedemé emocionada con el movimento, más que eso, volvi para mi casa con la sensación de deber cumplido, bien estar físco y espiritual, algo tan dificil de sentirse en la ciudad de piedras. São Paulo con más ciclovías, sin miedo de murir atropellado, por peladear, por no contaminar, por desear sentirse bien, abajo el tráfico. És soñar mucho?

http://www.bicicletada.org

http://apocalipsemotorizado.blogspot.com

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Pensamentos confusos sobre a disciplina "Organização da Informação nos contextos da pós-modernidade"

Para organizar informação é preciso antes delimitar o que é informação. Fazendo distinção entre dados, informação e conhecimento. Definindo dados como algo isolado de contexto, podendo também ser distinto de informação de forma relativa, dependendo da leitura do usuário, o que ele entende. Dados são um conjunto
de símbolos que representam percepções empíricas. Já informação, não é um dado, algo que precisa ser organizado, do ponto de vista da ciência da informação, ou seja, que está mais relacionado ao conceito de registro, a representação de algo, não um processo, nem o conhecimento em si e vista pelo profissional da informação como um objeto tangível. Definida ad hoc como "um conjunto de símbolos que representam o conhecimento empírico".
Buckland, conceitua de forma intangível informação como conhecimento, informação como processo, de forma tangível, a informação como objeto e o processo da informação.
Informação e conhecimento se misturam, e fica difícil definir, delimitar. Ora, um teórico usa o termo informação, ora usa conhecimento. Particularmente prefiro distinguir estes termos, por mais difícil que seja.
Organização da informação na sociedade, no sentindo de arrumar de determinado modo, colocar em certa ordem, as informações, os registros destas informações e deste conhecimento.
Ao abordar a organização do conhecimento, Dahlberg, define conhecimento como processo individual e uma certeza subjetiva de um fato ou estado, podendo ser adquirido por meio de reflexão.
Então, o conhecimento uma vez registrado, transforma-se em informação.
E inicia-se uma grande confusão!
Há necessidade de organizar o conhecimento ou informação (oras, eles se misturam) sempre existiu, e durante muito tempo os bibliotecários e filósofos se encarregavam desta função. Após a explosão da informação, pessoas de diferentes áreas (Analistas de sistemas, educadores, representantes da área de Inteligência Artificial) começam a se unir para a organização da informação crescente.
Para organizar, antes é preciso conhecer algumas definições, entre elas:
Conceito, algo possível de ser capturado, uma vez que o conhecimento pode ser considerado como a totalidade das proposições verdadeiras sobre este mundo, que pode estar em documentos ou nas cabeças das pessoas.
Classificar significa ordenar e dispor em classes, e está relacionada com as necessidades de utilização da informação.
Observa-se que há ausência de consenso e diferentes abordagens ao definir Ciência da Informação. Esta envolve comunicação, conhecimento, registro de conhecimento, informação, necessidade de informação, usos da informação, tecnologia da informação, tudo isto, no contexto social, institucional e individual. Segundo Belkin & Robertson, o propósito da Ciência da Informação é facilitar a comunicação de informação entre seres humanos.
Bom, facilitar a comunicação... hum... não vamos entrar na definição de comunicação, assim como, informação, delimitar estas "coisas" vai nos causar uma tremenda dor de cabeça.
É o seguinte, quanto mais você estuda, quanto mais você lê, mais confuso você fica, e depois de discutir o que leu, antes você até achava que tinha assimilado algo, mais depois percebe que está mais perdido que agulha em palheiro, ou melhor, mais perdido que uma informação solta no universo on-line.
E aí entramos num assunto delicado: recuperação da informação, aborda os profissionais que trabalham com esta informação que são denominados processadores de informação; os documentos, que são suportes de informação; e as representações desta informação, visando sua disseminação.
Na era da informação, não basta "armazenar" informação, é preciso saber interpretá-la, saber utilizá-la de forma inteligente para atingir seus objetivos, metas, usar a informação de forma estratégica.
Então para organizarmos informação, é preciso antes de tudo definir conceitos, termos, verificar as necessidades de informação e seus usos. Parar de viajar e chegar num concenso... cientistas da informação.
Pois, não se trata mais de uma necessidade epistemológica e sim estratégica, vital para a sobrevivência do profissional da informação.

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

À QUOI ÇA SERT L'AMOUR? - Edith Piaf avec Théo Sarapo

À quoi ça sert l'amour?
On raconte toujours
Des histoires insensées
À quoi ça sert d'aimer?

L'amour ne s'explique pas!
C'est une chose comme ça!
Qui vient on ne sait d'où
Et vous prend tout à coup.

Moi, j'ai entendu dire
Que l'amour fait souffrir,
Que l'amour fait pleurer,
À quoi ça sert d'aimer?

L'amour ça sert à quoi?
À nous donner de la joie
Avec des larmes aux yeux...
C'est triste et merveilleux!

Pourtant on dit souvent
Que l'amour est décevant
Qu'il y en a un sur deux
Qui n'est jamais heureux...

Même quand on l'a perdu
L'amour qu'on a connu
Vous laisse un goût de miel
L'amour c'est éternel!

Tout ça c'est très joli,
Mais quand tout est fini
Il ne vous reste rien
Qu'un immense chagrin...

Tout ce qui maintenant
Te semble déchirant
Demain, sera pour toi
Un souvenir de joie!

En somme, si j'ai compris,
Sans amour dans la vie,
Sans ses joies, ses chagrins,
On a vécu pour rien?

Mais oui! Regarde-moi!
À chaque fois j'y crois!
Et j'y croirai toujours...
Ça sert à ça, l'amour!
Mais toi, t'es le dernier!
Mais toi, t'es le premier!
Avant toi, y avait rien
Avec toi je suis bien!
C'est toi que je voulais!
C'est toi qu'il me fallait!
Toi qui j'aimerai toujours...
Ça sert à ça, l'amour!...

Pra que serve o amor?
"Eu não sei... rs, talvez para nos deixar pirados, só sei que o amor não se explica, que faz sofrer, que faz chorar, que nos faz felizes, mas sem estas dores, sem estes medos de perder, pra que vivemos?
Sempre te amarei, eu sei que é pra isto que serve o amor"

Foi isto que eu entendi... que entendo.

São Paulo, 7 de setembro de 2007

Independência?
Tal como a compramos há alguns anos atrás, que significa Independência?
De quê?
Será que somos realmente independentes?
Auto-Análise: Descobri estes dias, que sou muito independente na minha vida profissional, vou, luto, chego lá. Por outro lado, na minha vida pessoal, sempre fui muito dependente.
Análise sócio-política: Ainda somos dependentes...

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Falling away with you - Muse


I can't remember when it was good
Moments of happiness elude
Maybe I just misunderstood

All of the love we left behind
Watching the flashbacks intertwine
Memories I will never find

So I'll love whatever you become
And forget the reckless things we've done
I think our lives have just begun
I think our lives have just begun

And I'll feel my world crumbling,
I'll feel my life crumbling
I'll feel my soul crumbling away
And falling away,
Falling away with you

Staying awake to chase a dream
Tasting the air you're breathing in
I hope I won't forget a thing

Promise to hold you close and pray
Watching the fantasies decay
Nothing will ever stay the same

And all of the love we threw away
And all of the hopes we've cherished fade
Making the same mistakes again
Making the same mistakes again

I'll feel my world crumbling,
I'll feel my life crumbling
I'll feel my soul crumbling away
And falling away,
Falling away with you

All of the love we left behind
Watching the flash backs intertwine
Memories I will never find
Memories I will never find

Foto: Vista da Catedral da Sé - São Paulo/SP
By Daniela R. Vieira

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

"Pra me transformar no que te agrada..." (Cazuza)

"Eu queria ver no escuro do mundo
Aonde está o que você quer
Pra me transformar no que te agrada
No que me faça ver
Quais são as cores e as coisas pra te prender
Eu tive um sonho ruim e acordei chorando
Por isso eu te liguei

Será que você ainda pensa em mim?"

Começo com um trecho de uma música do Cazuza, porque às vezes canto estas músicas como se fossem hinos "arianos"... rs

"Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum "remédio" que me dê alegria"

Será que o Cazuza não conhecia fluoxetina????

Sem dispersão, vamos ao que interessa:
Andei abandonando meu blog, eu sei, perdão, por todo este abandono virtual, mas eu andava tão down, depois tão ocupada, com idéias novas, trabalhos novos, estudos novos, enfim, o sol voltou a brilhar, mas eu ainda não a deixei de amar...
Enfim...

Foco: Eu tenho que tomar banho,acabei de chegar do trabalho, são 19 horas de uma linda e fria sexta-feira, eu preciso sair um pouquinho, mas prometo voltar às origens e escrever aqui meus pensamentos mais confusos sobre "ciência da informação", sobre a vida uma bibliotecária na cidade de São Paulo.

segunda-feira, 18 de junho de 2007

No todo esta perdido

Estoy muy perdida no sé que voy a hacer, pero creo que no todo esta perdido.
Hay muchas cosas que quiero en la vida, hay muchos trabajos que aun me quedan por cumplir, hay muchas cosas que aun no logro y que quiero hacer, pero hoy solo quiero.. tenerte junto a mi.
Sólo quiero sentir tu abrazo, sentir tus besos, oir tu voz, sentir bien comigo misma, curarme para siempre de la depresión, que no hace bien a mi, y tampoco a ti. Cuando me siento mal una llamada tuya me hace sentir segura. Perdóname mi amor, por que se que a veces me enojo... pero... Creo en el amor, te amo, con cariño, con pasion, con todas fuerzas, con todo lo que tengo, cuando estoy junto a ti és como un sueño... nunca debia despertame.
Tu es la persona que me hizo conocer el verdadero amor...

sábado, 9 de junho de 2007

Caminhada Lésbica, 9 de junho de 2007


Cidadania, Direitos e Políticas Públicas, Por uma sociedade sem machismo, racismo e lesbofobia, foi o tema da "Caminhada Lésbicas" realizada hoje na Avenida Paulista à tarde.

Sites
Comunicação Lésbica - Comunicación Lesbiana: http://www.comuniles.org.br/
http://www.umoutroolhar.com.br/

Grupos de Discussão
http://www.grupos.com.br/group/ligabrasileiradelesbicas

terça-feira, 5 de junho de 2007

Exemplo de movimento estudantil em Caracas

Enquanto os estudantes universitários de Caracas saem às ruas para protestar contra o fechamento do canal de televisão RCTV, lutando por seus direitos, a favor da liberdade de expressão e dando um passo contra a ditatura que aos poucos vai tomando conta do país.
Os estudantes da USP invadem a reitoria, e transformam numa moda nacional "invadir a reitoria", pois os universitários de outras universidades federais do Brasil fizeram o mesmo.
Quando entrei na Universidade Federal de São Carlos, há 10 anos atrás o discurso estudantil era o mesmo de hoje:
"O governo está ferindo a autonomia da universidade"
Em 1998, como integrante do Centro Acadêmico dei apoio à invasão da reitoria, fui até lá, me recordo, que achava um absurdo não ter vagas nos alojamentos, por conta daqueles estudantes que fazem do alojamento sua eterna casa. Pois é, demoram anos para se formar, casam, tem filhos, continuam a viver no alojamento, tirando vaga de quem realmente precisa.
Não sei como está agora, mas sou a favor, de um controle de rendimento escolar para que o aluno possa usufruir dos benefícios que toda a sociedade financia.
Agora, ser transparente é ferir a autonomia da universidade?
Creio que a universidade deve prestar contas a sociedade...

E viva o movimento estudantil na Venezuela, lutando por causas mais nobres!

terça-feira, 29 de maio de 2007

Sinbiesp

Bibliotecário, como todo brasileiro, reclama, mas geralmente não costuma fazer nada para melhorar, então, acho que está na hora de comerçarmos a agir.

Abaixo o convite do site de nosso Sindicato (http://www.sinbiesp.org.br) para uma Assembléia Geral:

Todo dia é dia de lutar por seus direitos, mas em 5 de junho você, bibliotecário, terá uma grande oportunidade. Nesta data o SinBiesp realizará sua Assembléia Geral, no auditório da sede da Ordem dos Economistas, localizada no Viaduto Nove de Julho, 26, 2º andar, em São Paulo-SP. A primeira convocação será às 16h, e a segunda, às 16h30.

Elabore suas sugestões e reivindicações e apresente-as na assembléia. As idéias serão discutidas com os outros colegas de classe e levadas posteriormente pelo SinBiesp aos sindicatos patronais. Esta, inclusive, é uma ótima ocasião para você entender como são feitas essas negociações.

Funcionários públicos também estão convocados, uma vez que a Constituição Federal lhes garante o direito de sindicalização (art. 37, VI) e, em decorrência, de reivindicar melhorias através do seu sindicato.

quinta-feira, 3 de maio de 2007

Passagem Literária

Ontem após o trabalho, eu caminhava, devido ao trânsito insuportável rumo a minha casa, ao invés de atravessar a Rua da Consolação na faixa, optei pela passagem subterrânea buscando o livro “Drácula”, de Bram Stocker.
Conversando com uns dos livreiros, o qual me fez recordar daquele feriado onde as polícia tirou os livreiros e suas pequenas bancas de frente do Cine Unibanco, diante do protesto daqueles que defendem a cultura em nosso país.
Foram presos, e, após soltos, transformaram-se numa Associação de Livreiros da Passagem Subterrânea da Consolação, hoje, a passagem antes abandonada pela prefeitura, tem vida e cultura. Da limpeza aos impostos, sim, eles pagam impostos, uma espécie de cooperativa de sebos ali se reune, e quem ganha é a população paulistana, com mais um espaço agradável.
Uma sugestão para prefeitura: fazer isto com os lugares “abandonados”, dar uma espécie de incentivo fiscal, afinal de contas, trata-se de cultura.

300

A batalha de Termópilas, uma parted as Guerras Médicas, um dos primeiros conflitos entre ocidente e oriente, retratada no livro “História”, de Heródoto, escrito na época que a Pérsia (atual Irã) era uma superpotência, escrita sobretudo sob a visão de um grego, não foi registrada por nenhum cronista persa e agora diante do filme “300”, despertou a fúria dos iranianos, que ainda não se tocaram, se tratar de uma ficção.
Pois o filme na verdade se baseia numa novella gráfica, de Frank Miller.

Recomendo.(rs)

quarta-feira, 4 de abril de 2007

ABL Responde

Enquanto isso a Academia Brasileira de Letras...

Vai pôr à disposição do público um serviço para responder a dúvidas sobre fatos da língua portuguesa.

A partir do dia nove de abril, basta mandar um e-mail que a equipe executiva dirigida por Sergio Pachá e coordenada pelo acadêmico Evanildo Bechara responderá a todas as dúvidas de pronome, significado das palavras, flexão verbal e nominal, questões de sintaxe e semelhantes.

Disponível em : http://www.academia.org.br/

Bad Sex

Um Prêmio literário curioso, promovido pela revista Literary Review, o Bad Sex é um prêmio para a pior cena de sexo nos livros, vale conferir trechos das obras premiadas no site:
http://www.literaryreview.co.uk/badsex.html

quarta-feira, 28 de março de 2007

Sao Paulo, 28 de março de 2007

Gosto de Maquiavel, sempre gostei, vou postar aqui algumas frases no final deste texto.
Faz sol lá fora, eu aqui dentro me preparando para mais um dia de trabalho, mais um dia curando feridas, brindando conquistas, rindo da inveja que disparam contra mim.
Desde que o plano de união dos filhos de Seth com os filhos de Caim foram condenados a inveja e ao egoísmo, alguns seres humanos ainda se curvam diante de tais sentimentos, pobres de espírito, perdidos nos caminhos da evolução, sempre tentando encontrar um atalho, preocupam-se única e exclusivamente com sua vontade.
Uma imperfeição moral que nos ronda, muitas vezes nos seduz, causa sofrimento ao ver o sucesso de outro ser, alguns sedem de forma natural, outros de forma doentia.
E se vivemos numa sociedade de consumo, somos escravos de algo denominado capital, sofremos, fomos condenados à violência, as guerras, ao ódio, tudo isto porque somos egoístas e pequenos, acima de tudo cegos, vivendo numa matrix.

Maquiavel:

"Onde a força de vontade é grande, as dificuldades não podem sê-lo."

"Os homens hesitam menos em ofender quem se faz amar do que em ofender quem se faz temer; porque o amor é mantido por um vínculo de obrigação que, por serem os homens pérfidos, é rompido por qualquer ocasião em benefício próprio; mas o temor é mantido por um medo de punição que não abandona jamais."

"Todos vêem aquilo que pareces, poucos sentem o que és."

"O homem esquece mais facilmente a morte do pai do que a perda do patrimônio".

"Em politica, os aliados de hoje são os inimigos de amanhã."

"Eu creio que um dos princípios essenciais da sabedoria é o de se abster das ameaças verbais ou insultos."

"As injúrias devem ser feitas todas de uma só vez, a fim de que, saboreando-as menos, ofendam menos: e os benefícios devem ser feitos pouco a pouco, a fim de que sejam mais bem saboreados."

"Quanto mais próximo o homem estiver de um desejo, mais o deseja; e se não consegue realizá-lo, maior dor sente."

"O desejo de conquista é coisa realmente muito natural e comum; e, sempre que os homens conseguem satisfazê-lo, são louvados, nunca recriminados; mas, quando não conseguem e querem satisfazê-lo de qualquer modo, aí estão o erro e a recriminação."

"São tão simples os homens e obedecem tanto às necessidades presentes, que quem engana encontrará sempre alguém que se deixa enganar."

"Os homens devem ser adulados ou destruídos, pois podem vingar-se das ofensas leves, não das graves; de modo que a ofensa que se faz ao homem deve ser de tal ordem que não se tema a vingança."

quinta-feira, 22 de março de 2007

Los amantes de Pompeya (Odete Alonso)

La luna era distinta hace un segundo
te iluminaba
entraba por la hendija como un sorbo.
Moriremos de amor amiga mía
presiento que un tropel desciende de las cumbres
siento su oleada tibia presionando mi espalda.
Moriremos de amor
todos los vientos llegan como una manotada
y yo cubro tu cuerpo lo incorporo
quiero aliviarme en ti.
Hace un segundo la luna era distinta
y no había ese susto en tu mirada.
Algo nos viene encima
ese sordo rumor es un presagio.
Cierra los ojos pronto amiga mía.
Es el amor que llega.

Bibliotecario: espécie em extinçao?

Uma ferramenta de organização de fotografias nova no mercado surge em meio aos avanços da tecnologia. O novo software reconhece rostos e organiza suas fotos automacamente. Enquanto isto ouvi boatos sobre a última mesa redonda na USP sobre o dia do bibliotecário, na qual haviam levando a hipótese da extinção dos bibliotecários.

Frases

"Admiro o instinto das mulheres: amam, beijam, abraçam, entregam-se, mas jamais perdem o controle. " Do livro Os Guerreiros do campo, de Deonísio da Silva.

"Em política, se você quer um pronunciamento, peça a um homem. Se você quer que alguma coisa seja realizada, peça a uma mulher." Margaret Thatcher, política inglesa, ex-primeira ministra britãnica.

"Fiz assim por causa da métrica e do som. Sou poeta, não sou gramático." Vinicius em resposta a Aurélio Buarque de Holanda.

quarta-feira, 21 de março de 2007

A crise dos 29, ou melhor, quase 30

Bibliotecárias já são consideradas uma espécie estranha, não conseguem fugir daquele esteriótipo da velhinha de óculos atrás de um balcão antigo.
Agora, imagine só, uma bibliotecária entrando na crise dos quase 30, imaginando-se a própria velhinha de óculos perdida entre as estantes.
Sou eu, na crise dos quase 30, prestes a fazer 29, o oftalmo me receitou "óculos", nada muito grave, mas confesso que quase não passei no exame médico para renovação da carteira de motorista.
Meus amigos ligam cobrando uma posição sobre a festa, eu confesso, como no ano anterior, estou sem disposição pra fazer uma festa, penso que esta fase de aniversário, nada mais é do que uma data para se refletir na vida, refletir minha carreira profissional, o que nas vésperas faço intensamente e por isto acabo desencanando de festas.
Enfim, assim como os livros envelhecem, nós bibliotecárias envelhecemos, só que os livros se bem conservados passam de geração em geração, séculos, bibliotecárias se bem conservadas, com muitos cremes e os avanços na medicina estética, continuam a espantar os alunos da biblioteca, velhinhas, de óculos, ranzizas, não passam de um século.

quinta-feira, 15 de março de 2007

Dia do Consumidor na Sociedade de Consumo

E viva "nós" consumidores, endividados, adeptos ao modelo americano de consumo, trabalhamos muito para consumir cada vez mais, somos escravos do "capital", somos movidos a esta grande máquina, vivemos numa matrix, dominados, presos exclusivamente ao consumo.
Somos consumidores de informação, de qualquer espécie, as ofertas muitas vezes são tão grandes, que nem sequer temos tempo para selecionar e perdidos em meio ao lixo informacional, também somos bombardeados.
Nesta semana do consumidor, também a semana do bibliotecário, que pelo menos neste universo do consumo de informação tenta exercer um papel de "administrador", com foco na informação seletiva, afim de poupar tempo do usuário, para este ter mais tempo de lazer... rs

quarta-feira, 14 de março de 2007

Movimento Brasil Melhor


Convido aos visitantes de meu blog a dar um clique no link acima (na barra)
http://www.movimentobrasilmelhor.org/?page=campanha

segunda-feira, 12 de março de 2007

Sao Paulo, 12 de março de 2007. Dia do bibliotecario


"Veículo de idéias, que trouxe o passado até o presente, levará o presente ao infinito dos tempos."

Hoje no Brasil é nosso dia, em homenagem ao bibliotecário Manuel Bastos Tigre, um exemplo de profissional interdisciplinar, pisciano (12/3/1882) , foi lider estudantil (encabeçou movimento em prol da obrigatoriedade de ensino) , jornalista, poeta, compositor, teatrólogo, humorista, publicitário, além de engenheiro e bibliotecário. É dele, por exemplo, o slogan da Bayer que correu o mundo, garantindo a qualidade dos produtos daquela empresa:
"Se é Bayer é bom", "Chopp em Garrafa" com Ary Barroso, da Brahma.
Ganhou o Prêmio de Poesias da Academia Brasileira de Letras, com a obra “Meu Bebê”.
Após se formar em engenharia, esteve nos EUA, para fazer um curso de aperfeiçoamento em Eletricidade, onde conheceu o bibliotecário Melvil Dewey, que instituiu o Sistema de Classificação Decimal, este encontro foi decisivo para Manuel Bastos e seu amor aos livros.
Depois de prestar o concurso para bibliotecário, largou a engenharia e foi o primeiro o bibliotecário a atuar por concurso no Brasil no Museu Nacional, depois transferido para Biblioteca Central da Universidade do Brasil, chegou a diretor.
Trabalhou por mais de 20 anos como bibliotecário, recebeu o Prêmio Gutenberg e a Resolução nº 5 de 11 de março de 1958 do Poder Legislativo do Distrito Federal, decretou o Dia do Bibliotecário, 12 de março, data de seu nascimento.

Fontes:
http://www.amigosdolivro.com.br/materias.php?cd_secao=484
http://www.infolegis.com.br/legisprof.htm
http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/bv_destaque.html

Pintura: Giuseppe Arcimboldo

segunda-feira, 5 de março de 2007

Na Veja desta semana (n.1998 - 070/3/2007), um Artigo sobre os quarto mitos da escola brasileira:
1º Mito – O professor brasileiro é mal remunerado
O artigo diz que o salário é 56% superior a media nacional, mas não menciona a dificuldade para um professor, assim como outros profissionais, investir na carreira, mestrados e cursos, que são muitas vezes superiores aos ganhos.
2º Mito - A educação só vai melhorar no dia que os professores receberem salário mais alto
O artigo menciona que o salário aumentou e as notas dos alunos despencaram. E ainda: ”O mais urgente é fazer com que o professor chegue à sala de aula sabendo ensinar.”
É certo que ter mais dinheiro no bolso não é fato determinante para transformar um professor num bom educador.
Agora analisando o fato de que a educação nacional vive um círculo vicioso, onde o professor que chega até a sala de aula sem saber direito o que vai ensinar, porque o que ele não aprendeu no primeiro e segundo grau, ao chegar na universidade tentou aprender para entrar na sala de aula, ensinar.
Ensinar num país onde ao entrar numa sala de aula você tem que ser “psicólogo”, pai, mãe, enfretar ameaças, dias sem aula, por ordem de organizações criminosas, ameaças de alunos, falta de infra estrutura, livros…
Assim como qualquer outra carreira, temos profissionais e profissionais, aqueles que empurram com a barriga, aqueles que se esforçam ao máximo e aqueles que fazem por amor.

3º Mito - O Brasil investe pouco em educação
O Brasil destina 3,4% do PIB às escolas básicas, e os países da OCDE, 3,5%.
Conclusão, nosso país investe quase o mesmo e obtém resultados piores.
Não é de hoje que observamos recursos mal empregados, não somente na educação, mas também em todos setores do governo.
Um exemplo: semana passada nos jornais, livros didáticos que foram encontrados num depósito de reciclagem, com um detalhe, estavam ainda embalados, novos.

4º Mito – A escola particular é excelente
Que o Enem só serve para indicar que as escolas particulares estão um pouco a frente das estaduais, é fato.
Triste saber que uma prova aplicada pela OCDE, colocou o Brasil nas últimas posições em todas as disciplinas.
Então observamos que o professor que passou por uma escola ruim, cursou uma universidade precária e foi dar aula, resultou neste quadro que estamos vendo agora…E aquele que poderia ser um bom professor, está bem longe das salas de aula, talvez em outro país (fuga de cérebros), pesquisando numa multinacional…

Apenas 20% dos jovens brasileiros chegam à universidade. Mas, chegam à universidade, sem saber o básico...
Uma média de 6 anos dentro das salas de aulas (sucateadas) contra 12, nos países desenvolvidos.
Em uma lista de 25 países, o Brasil é o 23º em número de publicações científicas. "Nem vou comentar"

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

A lenta morte do portugues e a ascensao do spanglish

A Universidade de Cambridge fechou a licenciatura em português, apontando de pessoal especializado, a falta de divulgação e o desinteresse pela língua falada na 11ª economia mundial.
Onde estão os incentivos para divulgar a cultura brasileira em outros países?
Será que haverá algum protesto diante de Cambridge para não deixar morrer a língua de Camões?
Ao mesmo tempo que o português caminha para o túmulo, o spanglish, uma fusão de inglês com espanhol, está se tornando a segunda língua nos EUA. Com direito a tradução de Dom Quixote e tudo mais, mostrando que a globalização está mudando tudo, isso implica o nascimento de idiomas híbridos.

Um trecho de Dom Quixote em spanglish:
"En un placete de La Mancha of which nombre no quiero remembrarme, vivía, not so long ago, uno de esos gentlemen who always tienen una lanza in the rack, una buckler antiga, a skinny caballo y un grayhound para el chase".

Será que o mesmo poderia ocorrer com o Português / Inglês?

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Prontos para ler - o design de livros na Espanha

Exposição de 300 livros, de qualidade gráfica e editorial diferenciada, publicados na Espanha entre 2000 e 2005.
De terça a sexta, das 10h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h. Praça da Biblioteca.

Fonte: http://www.centrocultural.sp.gov.br/programacao/exposicoes.htm

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

Bagunça aumenta a produtividade?

Abrahamson, professor e consultor de Administração da Univesidade Columbia (Nova York) lançou um livro " A Perfect mess", no qual ele defende a bagunça, justificando que a organização deixa as empresas lentas e pesadas, que a bagunça estimula a criatividade, traz muitos benefícios, como por exemplo a flexibilidade no mais a organização custa caro.
Acho que suas idéias ainda vão dar o que falar no mundo bobotecário...

sábado, 10 de fevereiro de 2007

São Paulo, 10 de fevereiro de 2007

Já que tu insistes
Tentarei aprender a não mais te amar
Mas pra te esquecer
Não mais falarei
Cada vez mais faltarei
E de todas ausências
O amor que sentia se perderá
Na libertinagem de cada experiência
Na tentativa de ofuscar sua ausência
Quando eu estiver longe daqui
e o peito apertar
beberei todo vinho
lutarei com toda a força
pra curar a dor
a dor de sua ausência.
mas,
sempre que desejar
poderás contar com minha presença

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

Ciclovias em Sao Paulo - LEI Nº 14.266, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2007

(Projeto de Lei nº 599/05, do Vereador Chico Macena - PT)

Dispõe sobre a criação do Sistema Cicloviário no Município de São Paulo e dá outras providências
GILBERTO KASSAB, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 26 de dezembro de 2006, decretou e eu promulgo a seguinte lei:

Art. 1º Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de São Paulo, como incentivo ao uso de bicicletas para o transporte na cidade de São Paulo, contribuindo para o desenvolvimento da mobilidade sustentável.

Parágrafo único. O transporte por bicicletas deve ser incentivado em áreas apropriadas e abordado como modo de transporte para as atividades do cotidiano, devendo ser considerado modal efetivo na mobilidade da população.

Art. 2º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo será formado por:

I - rede viária para o transporte por bicicletas, formada por ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas e rotas operacionais de ciclismo;

II - locais específicos para estacionamento: bicicletários e paraciclos.

Art. 3º O Sistema Cicloviário do Município de São Paulo deverá:

I - articular o transporte por bicicleta com o Sistema Integrado de Transporte de Passageiros - SITP, viabilizando os deslocamentos com segurança, eficiência e conforto para o ciclista;

II - implementar infra-estrutura para o trânsito de bicicletas e introduzir critérios de planejamento para implantação de ciclovias ou ciclofaixas nos trechos de rodovias em zonas urbanizadas, nas vias públicas, nos terrenos marginais às linhas férreas, nas margens de cursos d’água, nos parques e em outros espaços naturais;

III - implantar trajetos cicloviários onde os desejos de viagem sejam expressivos para a demanda que se pretende atender;

IV - agregar aos terminais de transporte coletivo urbano infraestrutura apropriada para a guarda de bicicletas;

V - estabelecer negociações com o Estado de São Paulo com o objetivo de permitir o acesso e transporte, em vagão especial no metrô e em trens metropolitanos, de ciclistas com suas bicicletas;

VI - promover atividades educativas visando à formação de comportamento seguro e responsável no uso da bicicleta e sobretudo no uso do espaço compartilhado;

VII - promover o lazer ciclístico e a conscientização ecológica.

Art. 4º Caberá ao Executivo, por meio dos órgãos competentes, consolidar o programa de implantação do Sistema Cicloviário do Município de São Paulo, considerando as propostas contidas nos Planos Regionais Estratégicos.

Art. 5º A ciclovia será constituída de pista própria para a circulação de bicicletas, separada fisicamente do tráfego geral e atendendo o seguinte:

I - ser totalmente segregada da pista de rolamento do tráfego geral, calçada, acostamento, ilha ou canteiro central;

II - poderão ser implantadas na lateral da faixa de domínio das vias públicas, no canteiro central, em terrenos marginais às linhas férreas, nas margens de cursos d’água, nos parques e em outros locais de interesse;

III - ter traçado e dimensões adequados para segurança do tráfego de bicicletas e possuindo sinalização de trânsito específica.

Art. 6º A ciclofaixa consistirá numa faixa exclusiva destinada à circulação de bicicletas, delimitada por sinalização específica, utilizando parte da pista ou da calçada.

Parágrafo único. A ciclofaixa poderá ser adotada quando não houver disponibilidade de espaço físico ou de recursos financeiros para a construção de uma ciclovia, desde que as condições físico-operacionais do tráfego motorizado sejam compatíveis com a circulação de bicicletas.

Art. 7º A faixa compartilhada poderá utilizar parte da via pública, desde que devidamente sinalizada, permitindo a circulação compartilhada de bicicletas com o trânsito de veículos
motorizados ou pedestres, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro.

§ 1º A faixa compartilhada deve ser utilizada somente em casos especiais para dar continuidade ao sistema cicloviário ou em parques, quando não for possível a construção de ciclovia ou ciclofaixa.

§ 2º A faixa compartilhada poderá ser instalada na calçada, desde que autorizado e devidamente sinalizado pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito nos casos em que não comprometer a mobilidade segura e confortável do pedestre.

Art. 8º Os terminais e estações de transferência do SITP, os edifícios públicos, as indústrias, escolas, centros de compras, condomínios, parques e outros locais de grande afluxo de pessoas deverão possuir locais para estacionamento de bicicletas, bicicletários e paraciclos como parte da infra-estrutura de apoio a esse modal de transporte.

§ 1º O bicicletário é o local destinado para estacionamento de longa duração de bicicletas e poderá ser público ou privado.

§ 2º O paraciclo é o local destinado ao estacionamento de bicicletas de curta e média duração em espaço público, equipado com dispositivos para acomodá-las.

Art. 9º A elaboração de projetos e construção de praças e parques, incluindo os parques lineares, com área superior a 4.000 m² (quatro mil metros quadrados), deve contemplar o tratamento cicloviário nos acessos e no entorno próximo, assim como paraciclos no seu interior.

Art. 10. O Executivo deverá estimular a implantação de locais reservados para bicicletários, em um raio de 100 (cem) metros dos terminais e estações de metrô, trens metropolitanos e corredores de ônibus metropolitanos, dando prioridade às estações
localizadas nos cruzamentos com vias estruturais.

Parágrafo único. A segurança do ciclista e do pedestre é condicionante na escolha do local e mesmo para a implantação de bicicletários.

Art. 11. As novas vias públicas, incluindo pontes, viadutos e túneis, devem prever espaços destinados ao acesso e circulação de bicicletas, em conformidade com os estudos de viabilidade.

Art. 12. O Executivo poderá implantar ou incentivar a implantação de ciclovias ou ciclofaixas nos terrenos marginais às linhas férreas em trechos urbanos, de interesse turístico, nos acessos às zonas industriais, comerciais e institucionais, quando houver demanda existente e viabilidade técnica.

Parágrafo único. Os projetos dos parques lineares previstos no Plano Diretor Estratégico e nos Planos Regionais Estratégicos deverão contemplar ciclovias internas e, quando possível, de acesso aos parques, em conformidade com estudos de viabilidade
aprovados.

Art. 13. A implantação e operação dos bicicletários, em imóveis públicos ou privados, deverá ter controle de acesso, a ser aprovado pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito.

Art. 14. Nas ciclovias, ciclofaixas e locais de trânsito compartilhado poderá ser permitido, de acordo com regulamentação pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito, além da circulação de bicicletas:

I - circular com veículos em atendimento a situações de emergência, conforme previsto no Código de Trânsito Brasileiro e respeitando-se a segurança dos usuários do sistema cicloviário;

II - utilizar patins, patinetes e skates, nas pistas onde sua presença não seja expressamente proibida;

III - circular com o uso de bicicletas, patinetes ou similares elétricos, desde que desempenhem velocidades compatíveis com a segurança do ciclista ou do pedestre onde exista trânsito partilhado.

Art. 15. O Executivo deve manter ações educativas permanentes com o objetivo de promover padrões de comportamento seguros e responsáveis dos ciclistas, assim como deverá promover campanhas educativas, tendo como público-alvo os pedestres e os condutores de veículos, motorizados ou não, visando divulgar o uso adequado de espaços compartilhados.

Art. 16. Os eventos ciclísticos, utilizando via pública, somente podem ser realizados em rotas, dias e horários autorizados pelo Órgão Executivo Municipal de Trânsito, a partir de solicitação expressa formulada pelos organizadores do evento.

Art. 17. As despesas decorrentes da execução desta lei correrão por conta de dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 18. Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 6 de fevereiro de 2007, 454º da fundação de São Paulo.

GILBERTO KASSAB, PREFEITO
Publicada na Secretaria do Governo Municipal, em 6 de fevereiro”

Quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

Fonte: http://www.uol.com.br

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Sustainable Danceclub

A primeira danceteria sustentável no mundo, na Holanda, funciona com o movimento do corpo da galera, que gera muita energia ao dançar.
O assoalho capta a energia e transforma em eletricidade.

Quando teremos uma dessas por aqui???

http://www.enviu.org/index.php?id=1140

quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

2007 ALA Annual Conference - American Library Association

Estão abertas as inscrições para a conferencia que será realizada em Washington, de 21 a 27 de junho de 2007.
O prazo é até 23 de fevereiro.
Tema: Cooperation Among Libraries Within the Same Geographic Region

+ informações disponíveis no site: http://www.ala.org/ala/iro/iroactivities/papersession.htm

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

Sao Paulo, 29 de janeiro de 2007

Saímos na quarta-feira véspera do feriado, subi a Rua Augusta correndo, tentando imaginar o que se passa pela cabeça daqueles "seres" que ficam vagando na noite à procura de alguém pra irritar, sem falar dos pequenos furtos, da violência.
Véspera do aniversário da maior cidade do Brasil, São Paulo, a cidade que vicia, que amo e odeio.
Sem dormir, fiz parte da multidão inscrita no Troféu Cidade de São Paulo Carrefour Viver 2007, por conta de um desafio. Claro, depois perdi o show dos Mutantes, porque estava dormindo.

ARQUIVOS

Na sexta-feira, voltei a maratona de trabalho, um Centro de Documentação, 2 milhões de notas fiscais me esperando. Pouca coisa, tratando-se da documentação total.
Arquivos são interessantes, apaixonantes, considerando que são únicos e são o resultado de um processo administrativo.
Mas infelizmete são tratados de uma forma inadequada, gerando prejuízos para empresa, que dificilmente são mensurados, mas o trabalho da organização é reconhecido após resultados simples como por exemplo:
- Tempo médio gasto para encontrar um documento (sem um projeto de organização) - 4 dias
- Tempo médio gasto para encontrar um documento (COM um projeto de organização) - 5 minutos
Vocês podem ficar aí se perguntando, se existe alguém que demorar 4 dias para encontrar um documento, pois eu digo que existe, isso, se conseguem encontrar o documento, pois muitas vezes não conseguem, o prejuízo pode causar grandes danos a estrutura financeira da empresa. Já ouvi casos de outras consultoras que o prejuízo poderia fechar a empresa.
Enfim, como no caso do buraco do metrô, precisou acontecer tudo aquilo, para que pudessem ver os riscos envolvidos na construção da linha 4, as empresas muitas vezes iniciam a organização de seus arquivos logo após algum prejuízo, devido alguma auditoria.
É triste, mas não temos uma cultura de prever, tratar antes, sempre esperamos a bomba estourar...

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

São Paulo, 24 de Janeiro de 2007.

Meu blog anda meio esquecido, por conta do trabalho, do stress, das coisas da vida.
O fato é que tem uma coisa que muito me deixa chateada, o fato de que eu não consigo casar meus horários de trabalho e estudos. Ou melhor, fazer um mestrado em São Paulo é algo para os poucos que podem sair do trabalho no período diurno para assistir as aulas, ou trabalham somente no período noturmo, ou ainda, não trabalham.
Bom, se procuramos uma universidade pública para fazer um mestrado/doutorado é porque não dispomos de acima de R$ 1.000,00 por mês para pagar uma mensalidade de um curso de uma universidade privada, e estes ainda sim, são na maioria durante o período diurno.
Pesquisei e encontrei duas universidades com mestrados em Administração durante o período noturno: Unip e Uninove.
Depois, se eu saio do país para fazer um mestrado, volto e fico com o diploma encalhado num gigante processo burocrático para legalizá-lo.
Ò céus! Ò vida! Parece que educação não é mesmo algo importante por aqui….

segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

VERSOS RASOS (Alexandre Costa)

Que eu me valesse
De todas as palavras escritas
E daquelas descobertas ao acaso
Pra dizer das coisas indizíveis
Feita de letras que se juntam
Pra formar um sentimento raro.

Que a literatura
Nas costas de um livro antigo
Tivesse o verso mais digno do mundo
Onde o amor fosse uma frase sem sentido
Rasgado sem ódio e sem mágoa
Marcado com a lágrima derramada
Por um motivo fútil.

E que a voz
Que o vento não calou
Pudesse ler esses versos rasos
Insatisfeitos, tortos
Despudoradamente expostos
Em seu louvor!

Disponível em: http://contosecultos.blogspot.com/

Parabens pela iniciativa Deputado Jose Reguffe

Segundo a Isto é, n. 1942, do dia 19/01/2007, o deputado José Reguffe , do PDT, abriu mão dos salários extras, reduziu em 20% as verbas de gabinete e baixou os gastos com gasolina, ele economizará sozinha R$ 1,4 milhão em quatro anos. Se todos deputados fizem isso, a economia seria de R$ 1,5 bilhão".

quinta-feira, 11 de janeiro de 2007

Que legal, nos temos uma bibliotecaria!

Novo diretor de arte no pedaço e uma grande questão:
- "É você que arruma todos estes livros?"
- "Arrumo os livros, as revistas, faço pesquisa..." - respondeu a bibliotecária
- "Só quem trabalha na Criação, sabe a importância de uma biblioteca, de um profissional que saiba buscar imagens..."

Estive pensando, a maioria das agências de publicidade não possuem bibliotecários, para aquelas que possuem centros de informação, os bibliotecários estão focados mais em informação de planejamento, estratégia, esquecendo-se da área de criação.
Na graduação estudamos Porter e fundamentos de administração, que são úteis na hora que precisamos buscar informações de mercado, mas e quando precisamos buscar uma informação que vai colaborar para o processo de criação de uma peça publicitária?
Construi meu conhecimento, dos fundamentos de administração, bases de dados às noções de fotografia e artes.
A questão é que nós bibliotecários muitas vezes não demonstramos ao mercado do que somos capazes de fazer num universo tão gigante como é o mundo da informação e do conhecimento nos dias atuais.
Até quando ficaremos escondidos atrás das mesas / computadores?

segunda-feira, 8 de janeiro de 2007

Frase da semana

"Eu não mudei porque tenho cabelos brancos. Não se se botox é de direita ou de esquerda."
Chico Buarque, 62 anos, sobre a frase do presidente Lula de que se uma pessoa com mais de 60 anos for de esquerda tem problemas.

Fonte: Isto é gente - n. 384 (8/1/07)

quarta-feira, 3 de janeiro de 2007

Sao Paulo, 3 de janeiro de 2007.

Depois de passar pelo caos nos aeroportos às vésperas do Natal e ainda enfrentar mais 7 horas de ônibus até Riversul, me recusei a viajar no reveillon.
Passar a virada de ano na cidade que eu trabalho o ano inteiro, poderia ser estranho aos olhos de muitos, mas foi algo muito bom, ver uma cidade sem trânsito, ruas vazias, alguns turistas e suas câmeras fotográficas caminhando pela Paulista.
Sem pular ondas, virei o ano numa festinha particular, entre amigos, os que restaram em São Paulo, desfrutando de uma deliciosa ceia, bons vinhos e muitos doces.
A ceia foi apimentada com discussões políticas, destacando-se a morte de Saddan, os presos políticos durante o regime militar, entre outras coisas, sem estragar a festa.
O fato é que aqui estamos, no ano 2007, com notícias, de tráfico de fósseis (sim! Estão vendendo nossos fósseis para outros países!), retratos do grande valor que é dado a cultura e ao patrimônio histórico neste país.

Para saber mais sobre o tráfico de fósseis:
Folha de São Paulo - 03/01/2007 - Ciência
Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ciencia/fe0301200701.htm