domingo, 23 de setembro de 2007

Ciudad Ciclista

DESNUDAS/OS ANTE EL TRÁFICO!

Vejam as fotos em:

http://www.ciudadciclista.org/

Bicicletada







Quem ama... Liberta!

Quem ama..liberta!
Caminhos da vida
Quando cortas uma flor para ti,
começas a perdê-la...
Porque murchará em tuas mãos e não se fará semente para outras primaveras.
Quando aprisionas um passarinho para ti,
começas a perdê-lo...
Porque não mais cantará no bosque para ti e nem criará outros passarinhos em seu ninho.
Quando não arriscas tua liberdade para tê-la,
começas a perdê-la...
Porque a liberdade que tens se comprova
quando te atiras optando e decidindo.
Quando não deixas partir o teu filho para a vida,
começas a perdê-lo...
Porque nunca o verás voltar para ti livre e maduro.
Lembre-se sempre: Não existe preço
para a Liberdade, mas uma belíssima
recompensa para quem a utiliza com
desprendimento de alma ...
Ter para sempre, junto a si a Fidelidade daqueles que livres dos grilhões, se comprazem em serem seus eternos admiradores!
Quem Ama ... Liberta com a certeza
da volta espontânea ao aconchego!
Aprende no caminho da vida
A paradoxal lição da experiência:
Sempre ganhas o que deixas
E perdes o que retén
Retirando de uma comunidade

"...Tira-me a luz dos olhos - continuarei a ver-te
Tapa-me os ouvidos - continuarei a ouvir-te
E, mesmo sem pés, posso caminhar para ti
E, mesmo sem boca, posso chamar por ti.
Arranca-me os braços e tocar-te-ei com o meu coração como se fora com as mãos...
Despedaça-me o coração - e o meu cérebro baterá
E, mesmo que faças do meu cérebro uma fogueira,
Continuarei a trazer-te no meu sangue..."
( Rainer Maria Rilke)

sábado, 22 de setembro de 2007

Bicicletada - Dia mundial sem carro

video

A proposta era ir a virada de bike, que faz parte da programação da VIRADA ESPORTIVA, mais um evento da cidade 24 horas, São Paulo. Acabei na BICICLETADA, senti um arrepio, fiquei emocinada com o movimento, mais que isto, voltei pra casa com a sensação de dever cumprido, bem estar físico e espiritual, algo tão difícil de se sentir nesta cidade de pedras. São Paulo com mais ciclovias, sem medo de morrer atropelado, por pedalar, por não poluir, por desejar sentir-se bem, abaixo ao trânsito. É sonhar demais?

La propuesta era ir a la "VIRADA" en bike, que haz parte del programa de la "GIRADA DEPORTIVA" (no lo sé se pudo escribir así), más un evento de la ciudad, São Paulo. Terminé na BICICLETADA, senti un escalofrío, quedemé emocionada con el movimento, más que eso, volvi para mi casa con la sensación de deber cumplido, bien estar físco y espiritual, algo tan dificil de sentirse en la ciudad de piedras. São Paulo con más ciclovías, sin miedo de murir atropellado, por peladear, por no contaminar, por desear sentirse bien, abajo el tráfico. És soñar mucho?

http://www.bicicletada.org

http://apocalipsemotorizado.blogspot.com

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Pensamentos confusos sobre a disciplina "Organização da Informação nos contextos da pós-modernidade"

Para organizar informação é preciso antes delimitar o que é informação. Fazendo distinção entre dados, informação e conhecimento. Definindo dados como algo isolado de contexto, podendo também ser distinto de informação de forma relativa, dependendo da leitura do usuário, o que ele entende. Dados são um conjunto
de símbolos que representam percepções empíricas. Já informação, não é um dado, algo que precisa ser organizado, do ponto de vista da ciência da informação, ou seja, que está mais relacionado ao conceito de registro, a representação de algo, não um processo, nem o conhecimento em si e vista pelo profissional da informação como um objeto tangível. Definida ad hoc como "um conjunto de símbolos que representam o conhecimento empírico".
Buckland, conceitua de forma intangível informação como conhecimento, informação como processo, de forma tangível, a informação como objeto e o processo da informação.
Informação e conhecimento se misturam, e fica difícil definir, delimitar. Ora, um teórico usa o termo informação, ora usa conhecimento. Particularmente prefiro distinguir estes termos, por mais difícil que seja.
Organização da informação na sociedade, no sentindo de arrumar de determinado modo, colocar em certa ordem, as informações, os registros destas informações e deste conhecimento.
Ao abordar a organização do conhecimento, Dahlberg, define conhecimento como processo individual e uma certeza subjetiva de um fato ou estado, podendo ser adquirido por meio de reflexão.
Então, o conhecimento uma vez registrado, transforma-se em informação.
E inicia-se uma grande confusão!
Há necessidade de organizar o conhecimento ou informação (oras, eles se misturam) sempre existiu, e durante muito tempo os bibliotecários e filósofos se encarregavam desta função. Após a explosão da informação, pessoas de diferentes áreas (Analistas de sistemas, educadores, representantes da área de Inteligência Artificial) começam a se unir para a organização da informação crescente.
Para organizar, antes é preciso conhecer algumas definições, entre elas:
Conceito, algo possível de ser capturado, uma vez que o conhecimento pode ser considerado como a totalidade das proposições verdadeiras sobre este mundo, que pode estar em documentos ou nas cabeças das pessoas.
Classificar significa ordenar e dispor em classes, e está relacionada com as necessidades de utilização da informação.
Observa-se que há ausência de consenso e diferentes abordagens ao definir Ciência da Informação. Esta envolve comunicação, conhecimento, registro de conhecimento, informação, necessidade de informação, usos da informação, tecnologia da informação, tudo isto, no contexto social, institucional e individual. Segundo Belkin & Robertson, o propósito da Ciência da Informação é facilitar a comunicação de informação entre seres humanos.
Bom, facilitar a comunicação... hum... não vamos entrar na definição de comunicação, assim como, informação, delimitar estas "coisas" vai nos causar uma tremenda dor de cabeça.
É o seguinte, quanto mais você estuda, quanto mais você lê, mais confuso você fica, e depois de discutir o que leu, antes você até achava que tinha assimilado algo, mais depois percebe que está mais perdido que agulha em palheiro, ou melhor, mais perdido que uma informação solta no universo on-line.
E aí entramos num assunto delicado: recuperação da informação, aborda os profissionais que trabalham com esta informação que são denominados processadores de informação; os documentos, que são suportes de informação; e as representações desta informação, visando sua disseminação.
Na era da informação, não basta "armazenar" informação, é preciso saber interpretá-la, saber utilizá-la de forma inteligente para atingir seus objetivos, metas, usar a informação de forma estratégica.
Então para organizarmos informação, é preciso antes de tudo definir conceitos, termos, verificar as necessidades de informação e seus usos. Parar de viajar e chegar num concenso... cientistas da informação.
Pois, não se trata mais de uma necessidade epistemológica e sim estratégica, vital para a sobrevivência do profissional da informação.

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

À QUOI ÇA SERT L'AMOUR? - Edith Piaf avec Théo Sarapo

À quoi ça sert l'amour?
On raconte toujours
Des histoires insensées
À quoi ça sert d'aimer?

L'amour ne s'explique pas!
C'est une chose comme ça!
Qui vient on ne sait d'où
Et vous prend tout à coup.

Moi, j'ai entendu dire
Que l'amour fait souffrir,
Que l'amour fait pleurer,
À quoi ça sert d'aimer?

L'amour ça sert à quoi?
À nous donner de la joie
Avec des larmes aux yeux...
C'est triste et merveilleux!

Pourtant on dit souvent
Que l'amour est décevant
Qu'il y en a un sur deux
Qui n'est jamais heureux...

Même quand on l'a perdu
L'amour qu'on a connu
Vous laisse un goût de miel
L'amour c'est éternel!

Tout ça c'est très joli,
Mais quand tout est fini
Il ne vous reste rien
Qu'un immense chagrin...

Tout ce qui maintenant
Te semble déchirant
Demain, sera pour toi
Un souvenir de joie!

En somme, si j'ai compris,
Sans amour dans la vie,
Sans ses joies, ses chagrins,
On a vécu pour rien?

Mais oui! Regarde-moi!
À chaque fois j'y crois!
Et j'y croirai toujours...
Ça sert à ça, l'amour!
Mais toi, t'es le dernier!
Mais toi, t'es le premier!
Avant toi, y avait rien
Avec toi je suis bien!
C'est toi que je voulais!
C'est toi qu'il me fallait!
Toi qui j'aimerai toujours...
Ça sert à ça, l'amour!...

Pra que serve o amor?
"Eu não sei... rs, talvez para nos deixar pirados, só sei que o amor não se explica, que faz sofrer, que faz chorar, que nos faz felizes, mas sem estas dores, sem estes medos de perder, pra que vivemos?
Sempre te amarei, eu sei que é pra isto que serve o amor"

Foi isto que eu entendi... que entendo.

São Paulo, 7 de setembro de 2007

Independência?
Tal como a compramos há alguns anos atrás, que significa Independência?
De quê?
Será que somos realmente independentes?
Auto-Análise: Descobri estes dias, que sou muito independente na minha vida profissional, vou, luto, chego lá. Por outro lado, na minha vida pessoal, sempre fui muito dependente.
Análise sócio-política: Ainda somos dependentes...